Régua de Cobrança

Régua de Cobrança

Régua de Cobrança | Educacional Tech

Sua instituição está parada no tempo, sua régua de cobrança não é efetiva e os seus alunos estão com baixo desempenho e alta evasão? O que você está fazendo para reverter essa situação?

Já dizia o célebre consultor de marketing norte-americano:

"Conquistar um novo cliente custa de 5 a 7 vezes mais que manter um atual" Philip Kotler.



As instituições de ensino precisam lidar com indicadores de desistências, pagamentos, trancamentos, cancelamentos e transferências de matrículas. Cenário este que acontece do maternal ao doutorado.

Um erro muito comum no setor da educação é o de investir recursos somente na captação de novos alunos e não em estratégias que visam o acompanhamento social e financeiro para a sua permanência e melhora no desempenho.
Nesse sentido, o método Educacional Tech permite que você não só classifique os alunos, mas que possa acompanhá-los na intenção de identificar atrasos, evasões, problemas pessoais e sociais a tempo de reverter a situação.

Entenda o Método Educacional Tech
Nós, da Educacional Tech, criamos uma régua de cobrança que considera os variados comportamentos dos alunos, desde o momento em que ele entra na instituição de ensino até o término do seu curso, sendo que esta avaliação é feita em todas as etapas da educação.

Sabemos que a rotina dos alunos, principalmente do ensino médio e da educação universitária, pode ser desgastante e influenciar no desempenho escolar. Muitos deles precisam acordar bem cedo, passar horas no trajeto entre trabalho, escola/faculdade e casa.

Esse aluno, ao chegar na sua instituição, estará cansado, desmotivado e certamente apresentará baixo desempenho escolar ou desejo de desistência. Também, há fatores sociais e familiares, como mau relacionamento com os pais ou cônjuge.

Pensando nesses casos, fazemos uma análise ampla, na qual levamos em consideração o local de moradia do estudante e o tempo necessário para o deslocamento entre a ida e a vinda, que pode ser variável conforme a rotina do aluno (alguns trabalham ou fazem outros cursos, por exemplo).

Alinhado a esta fração de dados, verificamos como está a assiduidade do estudante em sala de aula e nos trabalhos de casa. Com exceção dos alunos com 100% de bolsa, incluímos em nossa avaliação o fator pagamento das mensalidades, para analisar quais estão em dia, se há atrasos ou valores em aberto.

Tal estudo se torna de extrema importância quando se pensa que o baixo desempenho escolar não é desencadeado somente por desinteresse na educação ou problemas de aprendizagem, mas também de situações sociais, financeiras e, principalmente, pessoais.

A identificação antecipada permite que a sua instituição intervenha e ajude o aluno nestas questões, fator este que reflete positivamente nas taxas de inadimplência e desempenho da sua instituição.

Entenda a importância da tecnologia na educação
Feito esse estudo, o nosso sistema atua na avaliação de dados, notas, relatórios e possíveis cenários que levarão à evasão do aluno. aos atrasos e à inadimplência das parcelas.

De maneira geral, o papel da TI focada na sua instituição busca:

● levantar dados de ausência, geolocalização, tempo e distância entre casa e instituição, instituição e casa e, em alguns casos, incluímos o trabalho ou outras atividades da rotina do aluno;

● notas obtidas de forma isolada, pois há alunos com mais facilidade ou dificuldades em exatas, humanas e biológicas, por exemplo;

● desenvolvimento de relatórios para a coordenadora e psicopedagoga.

Independentemente do caso, o responsável da instituição deverá encaminhar o aluno para o melhor atendimento, considerando os relatórios gerados pelo nosso sistema.

Para resolver esses problemas, a nossa régua de cobrança automática separa os alunos com base em critérios lógicos e dispara os relatórios para os departamentos responsáveis, como a coordenação, assistência psicopedagógica, direção e/ou setor financeiro.

Essas informações e dados são enviadas de acordo com um sistema de classificação dos alunos.

A classificação para acompanhamento pedagógico
Classificamos o nível do aluno em verde, amarelo, laranja ou vermelho de acordo com a situação e cenário em que ele se encontra. Entenda:

Verde: é o aluno que está na média, isto é, não subiu nenhuma barra na sua avaliação;

Amarelo: é o aluno que precisa da psicopedagoga e de um responsável (principalmente com estudantes da educação básica);

Laranja: é o aluno que apresenta mais dificuldades e atrasos, por isso precisa de acompanhamento psicopedagógico, de um responsável e dos professores;

Vermelho: é o estágio mais delicado, sendo esse o aluno que precisa de apoio psicopedagógico, de um responsável e do diretor.

Criando essas classificações, em poucos passos é possível saber quais são os alunos com condições favoráveis para o próximo ano letivo, sendo que, muitas vezes, um acordo com o setor financeiro e uma conversa antecipada com o estudante ou seus responsáveis já podem resolver muitas situações e garantir a recuperação do período letivo.

Processo esse que favorece tanto o desempenho do aluno quanto da sua instituição. Para essa possibilidade de intervenção em problemas sociais, financeiros e familiares e acordos é possível criar um fluxo de caixa de recebimentos.

Assim. a instituição terá uma folga financeira, de modo que os acordos começam a ser pagos no período em que o aluno se encontra, ou seja, não há necessidade de esperar o final ou início de um novo ano letivo para começar a efetuar os acordos.

Vale reforçar que existem inúmeras possibilidades de aplicar o nosso método e de tratar os cenários que prejudicam o processo educacional de um aluno, independentemente do nível de ensino da sua instituição, já que, apesar de apresentarem singularidades, a educação básica e superior têm muito em comum.

Se os seus alunos têm apresentado baixo desempenho e alta desistência e evasão, entre em contato conosco e agende uma visita para conhecer as nossas soluções.